quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Sorvetando por aí...







Essa marca é vendida, aqui no RJ, na rede de supermercados Zona Sul e vale a pena pagar as 5 moedas que custam: Limão siciliano, pistache, chocolate italiano, capuccino, tiramisu, papaia&manga, gianduia, framboesa, choco&menta, coco malasia...


Olhem o site dos caras: www.gelatodiletto.com.br


Lá vocês poderão ler a composição de cada sabor, que faz toda a diferença!


Taí a dica do momento... É de comer até se lambuzar: Muiiiito bom!



quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Dicas para doces de "massa"






Goiabada, marmelada, pessegada, doce de abóbora, doce de batata doce...

Temos doces de massa "de colher", aqueles de consistência mais pastosa e os "de cortar". 

Para se obter a qualidade desejada, é imprescindível observar duas coisas: 
a proporção ingrediente/açúcar e o "ponto", que varia de acordo com o doce preparado, o calor do fogo empregado, etc.

Há algumas formas práticas de verificar se o doce está no ponto desejado:
1. O doce está "de colher" quando ao mexer começamos a ver o fundo da panela.
2. O doce está "de cortar" quando a massa começa a se desprender do fundo da panela.

Os doces de abóbora, batata doce, cocadas...ficam deliciosos se forem preparados como "docinhos" de festas: Basta acrescentar ¼ a mais da quantidade de açúcar prevista na receita, apurar até o ponto de cortar, pingar as bolinhas em uma assadeira untada e deixar secar ao sol, até começar a açucarar. Eles ficam naturalmente "glaçados".


Para cozinhar em um fogo muito brando, faça uma "trempe", que deverá ser usada em cima da coca do fogão acesso: Corte uma tampa redonda de lata larga (de goiabada por exemplo) e fure-a com prego, como se fosse um ralo grosso, porém bem mais espaçado entre os furos. 
Essa peça é fundamental na preparação de doces de massa que levam muito tempo para apurar, pois essa forma de cozimento não exige que se mexa o doce sem parar...  ;)

Você não precisa possuir um tacho de cobre e tampouco um fogão a lenha (dupla que empresta um auxilio luxuoso nesse tipo de receita, mas não cabem em nossos apartamentos...)
Mas é imprescindível a tal "trempe", colheres de pau de cabo longo e uma panela realmente grande, de alúminio cuja espessura é generosa...




Ainda essa semana prometo às formigas de plantão que ensinarei a fazer goiabada cascão... Receita fácil, porém demoradinha.
E, com uma boa dose de paciência e boa vontade, mando o queijo caseiro... Afinal, será por uma boa causa...




segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Mineirice em quinze minutos





Sabe aquele potinho de feijão congelado?


Coloque-o na frigideira funda com um pouco de água e deixe ferver até sumir a espuma branca que se forma na superfície, mexendo vez em quando.
Fogo baixo, claro.


Adicione generosas borrifadas de molho de pimenta vermelha.


Enquanto ferve, coloque um arrozinho básico prá cozinhar (em alguns posts abaixo tem receitinha de arroz), com bastante alho frito.
Quando estiver fervendo, adicione várias rodelas finíssimas de linguiça calabresa (eu guardo essas moças no congelador, pois fica mole de cortar muito fino, enquanto congeladas).
Tampe quando a água estiver secando, sempre em fogo baixo.


Volte para o feijão, já totalmente fervidinho da silva, adicione farinha de mandioca crua aos poucos e vá mexendo vigorosamente para não empelotar.
Deixe ficar cremoso, lembre-se que, ao esfriar, endurece mais.
Desligue o fogo e junte uma boa quantidade de azeite e tomate picadinho, sem pele e sem sementes, mexendo bem.


Mais uns 5 minutinhos, seu arroz com linguiça estará pronto.


é só botar no prato e mandar ver!

Quer sostificar?
Um ovinho pochê (ou até mesmo zoião frito) e uma couvezinha passada no alho e óleo por cima... Hummmmmm...


Aliás... Esse tutu, feito bem durinho, rende uma excelente massa para bolinhos de carne seca.
Forme os bolinhos na palma da mão, recheie com carne seca desfiada, passe no ovo e farinha de rosca e frite.



Torta de legumes



A receita de hoje é uma coisinha muito antiga, simples, saborosa e que pode ser feita com sobras.



A aparência final é de uma super quiche, meio omeletona, mas com textura de pão de ló... Assim... Mais ou menos... rssss

01 prato fundo de repolho finamente picado e escaldado em água fervente (ou vagem cozida por exemplo...)
04 ovos
02 copos de óleo
2 cs de fermento em pó
aprox. 100gr. de queijo ralado
1 cubo de caldo de legumes
mix de pimentas moídas na hora
sal a gosto
2 copos de farinha de trigo
tomate picadinho sem pele e sem sementes
cheiro verde picadinho
cebola picadinha
azeitonas picadinhas, pimentões... (use a criatividade!)

misture tudo e asse em forma untada até dourar a crosta.


Se preferir uma consistência mais de "bolo", ai vai:



1 xic. de óleo
2 xic. de leite
13 cs de farinha de trigo
1 cs de fermento em pó
sal a gosto
3 ovos
100gr de queijo ralado

Bata tudo no liquidificador , unte o tabuleiro, coloque metade da massa e coloque o recheio escolhido (presunto picado, legumes, sobras de carne assada, atum, sardinha, etc).
Coloque o restante da massa por cima e asse até dourar.


quinta-feira, 23 de setembro de 2010

A hora da larica!




Ingredientes
500g de abóbora em cubos
250g de açúcar demerara
¼ xícara (chá) de água
Cravo e canela a gosto
Preparo
Em uma panela de pressão coloque a abóbora, o açúcar, a água, o cravo e a canela, misture os ingredientes, tampe a panela e leve ao fogo. Depois que começar a ferver, deixe por mais 5 minutos. Desligue o fogo e só abra a panela depois que perder a pressão. 
Dicas
Em geléias e compotas use sempre o açúcar demerara pois ele ajuda na consistência da calda.



terça-feira, 21 de setembro de 2010

Hamburguer prá todos os gostos






A história do Hamburguer começa no século XIII, quando os cavaleiros tártaros utilizavam uma técnica peculiar para moer a carne dura e crua levando-a na sela de seus cavalos.
Após horas de galope o alimento se transformava em uma pasta mais fácil para mastigar. Era o chamado “bife tártaro”, que se consumia cru, acompanhado de uma gema de ovo também crua. 
Cinco séculos mais tarde o alimento chegou ao porto de Hamburgo, na Alemanha, onde se incorporou aos hábitos alimentares da população local.


A boa de hoje é  receita de hamburguer caseiro e do bife tártaro, a saber...




Hamburguer feitinho em casa. 
Tudo bem, realmente existem coisas que em casa não tem o mesmo sabor do que na rua. mas....
saboreie com boa vontade... é muito melhor!



Ingredientes
400g de calabresa (sem pele) moída
200g de bacon batido no liquidificador (sem a capa)
100g de carne moída (picanha, por exemplo)
1 ovo
1/2 xicara de farinha de trigo
Salsa e Cebolinha picadinhos (se gostar)
2 dentes de alho ralados
1/2 pacote de creme de cebola
mix de Pimentas moidas na hora a gosto



Modo de fazer:
Misture as carnes e os teperos até ficar tudo junto e embolado.
Adicione o ovo, a massa vai ficar aveludada, agora coloque o creme de cebola, misturando bem, com as mãos. Até ficar mais uma vez uniforme. Adicione pimenta e sal a gosto. 
Pronto, agora é só adicionar a farinha, devagarinho, até sentir que a massa deu liga o suficiente para ser moldada.


Preparando os hambúrgueres
O tamanho do hambúrguer vai depender de seu desespero, ops, fome: Na média você precisa tirar uma bola do tamanho de uma laranja pequena e ir achatando, pressionando bem, comprimindo e arredondando. Eu não usei forma nenhuma, fiz na mão mesmo e ainda assim ficaram perfeitos.
Molde no tamanho que preferir, monte em uma bandeja e leve a freezer por 15 minutos (para ajudar a ficar mais firme). Vc. pode usar cortadores específicos para hamburguer (foto acima) ou uma vasilha de vidro com diâmetro de tamanho razoável (lembre-se que ao fritar, a carne diminui cerca de 50% o tamanho).


Depois é só levar a frigideira bem quente com um fio de óleo.




PRÓÓÓÓÓÓÓÓÓÓXIMOOOOOOOOOOOO!




Steak Tartar (leia-se carne crua e gema de ovo, também crua. Comida prá macho!)
150 g de mignon, 
2 gemas de ovos de codorna ou 1 gema de ovo de galinha
cebolinha finamente  picada
Alcaparras lavadas e escorridas
mini pepinos em conserva, picadinhos
Cebola roxa picada 
Mostarda Dijon
Molho inglês
Tabasco
Sal e pimenta-do-reino
PREPARO
Pique a carne com duas facas cruzadas ou moa uma vez na máquina, no ralo grosso.
Misture com os outros ingrediente, menos as gemas. 
Molde no formato que desejar. Com o auxílio de uma colher pequena, abra uma cova em cima e deposite as gemas com um fio de azeite por cima.. 
Sirva imediatamente com torradas e mix de folhas verdes.




segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Toda me sentindo...



Senhores,


Reparem no cabeçalho novo do blog...


Auxílio luxuoso de LILITA FIGUEIREDO, artista plástica descoladona.


Nada poderia ter ficado tão retrô, tão kitch, tão, tão, tão... a minha cara!





OBRIGADA, LILITAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!!!

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

As cebolas do outback... Finalmente!



Mesmo quem não gosta de cebola abre uma exceção para esta aqui... 


A tentadora cebola do Outback... Eu como uma inteira, sozinha. De boa!





1 cebola italiana (gigante) e bem escolhida...
água, sal e vinagre
1 xicara de leite
1 ovo inteiro
1 colherinha de queijo ralado, outra de salsa desidratada e mais outra de pimenta-do-reino moída na hora e orégano
+- 100 g de farinha de trigo
+- 2 cs de fubá

Um dos segredos do preparo da receita é a forma de se cortar as cebolas... (as fotos abaixo são auto-explicativas)


Corte-as a partir do topo, do meio da cebola vá fatiando, como se fatia uma torta. Ela vai ficar dividida em gomos, vai se abrir. Cada tira você corta em três pedaços. 

Numa vasilha, faça uma salmoura com água gelada, sal e vinagre. Coloque as cebolas e deixe de molho na geladeira por 2 horas. 
Retire as cebolas da salmoura, coloque-as de cabeça para baixo numa outra vasilha para escorrer o excesso de água. 
Deixe na geladeira novamente por mais 1 hora antes de fritar.

Bata no liquidificador o leite, os ovos e o queijo ralado, coloque numa tigela funda e acrescente os temperos.
Mergulhe a cebola nesta mistura, retire o excesso e empane na farinha de trigo com fubá, retirando o excesso, dando leves batidas.


Frite em óleo bem quente até dourar bem.
A panela precisa ser funda e o óleo tem que cobrir totalmente a cebola!



PARA O MOLHO:

• 1/2 copo de maionese
• 2 colheres de chá de ketchup
• 1/4 colher de chá de páprica
• 1/4 colher de chá de sal
• 1/8 colher de chá de oregano seco
• Pitada de Pimenta do Reino em pó
• Pitada de Pimenta Vermelha em pó





Dicas:


NÃO CORTE ATÉ O FINAL DA CEBOLA PARA NÃO DAR M NA HORA DE FRITAR
Os últimos 8 cortes são bem fininhos, use a mão firme e não fique triste se sua cebola não parecer uma flor certinha, porque mesmo assim ela ficará muito gostosa...







domingo, 12 de setembro de 2010

Empadão de Camarão com Polenguinho



A massa já foi motivo de postagem anterior, portanto, vamos ao recheio!


Aprox. 500 g de camarão fresco  
1 cebola grande picada 
azeite 
tomates maduros, picados, sem sementes e sem pele 
1 pimentão vermelho picado 
1 cs de farinha de trigo para secar o caldo.
1/4 de xícara de água 
1 cs de suco de limão 
cheiro verde picado (coentro opcional, eu não gosto...)
molho de pimenta vermelha (Tabasco) a gosto
sal a gosto 
6 polenguinhos (ou requeijão de corte)


Higienize os camarões com vinagre branco, retirando o fio preto da coluna com um palito (mantenha cabeça, calda, casca, barbas...)
Frite a cebola no azeite até murchar. Ponha o tomate e o pimentão e refogue mexendo de vez em quando. Junte o camarão inteiro e cozinhe por não mais de 4 minutos. Acrescente a farinha misturada com a água e cozinhe até engrossar, mexendo sempre. Adicione o suco de limão, o cheiro verde, o molho de pimenta e o sal. Misture e retire do fogo. Deixe esfriar bem antes de rechear a massa. 

Após esfriar, retire a cabeça, calda, barbas, perninhas e casca do camarão, cortando-os em 3 ou 4 pedaços, dependendo do tamanho do bicho.

Porque cozinhar inteiro no molho? Porque o PALADAR é totalmente diferente se você cozinhar somente a carne.
Recheie a massa no pirex e corte os polenguinhos por cima.
O recheio não pode ultrapassar a metade da massa de jeito maneira, senão transborda no cozimento, estourando a tampa do empadão!


















Muppet Show - Swedish Chef - making donut




sábado, 11 de setembro de 2010

Molho para o macarrão dos amigos



Sábado, dia de receber amigos em casa, para um dia gostoso... Conversas mil, violão, leituras, etc e tal?


Nada melhor que uma macarronada prá guarnecer o ânimo da galera, certo?




Espaguete, talharim, fusili, parafuso, conchinhas... TANTO FAZ!!!




VAMOS AO MOLHO!!!!


carne moída (passada duas vezes na máquina, a segunda, com as linguiças)
linguiças toscanas (aquelas de churrasco) sem as peles
alho, cebola, cheiro verde, mix de pimentas moídas na hora, oregano, cubos de caldo de carne
tomates tipo ITALIANOS  e MUITO MADUROS sem pele e sem sementes, cortados grosseiramente
queijo ralado na hora, em ralo grosso (padano, meu preferido... ou outro de sua preferência)
quadradinhos de polenguinho


frite adoidadamente a carne com o alho e a cebola. junte os temperos (menos os cubos) e continue fritando... até fazer crosta escura na panela.
adicione os tomates (a enzima do tomate vai fazer com que a crosta se desmanche, agregando-se ao molho) e, aos pouquinhos, goles de água com os cubos desmanchados nela.
quando ficar tudo muito bem mexidinho, deixe ferver.
ferver, ferver, ferver... por aproximadamente 1 hora... borbulhando na panela, em fogo baixo...
mexa de vez em quando e vá desmanchando os tomates, adicionando, quando preciso, goles de água.






a brincadeira fica por conta das bolinhas:


separe um tanto de carne moída crua, tempere com pouco sal e uma pitada de canela em pó e mix de pimentas moidas na hora e faça bolinhas pequenas, recheando-as com 1 quarto de "polenguinho" (que pode ser, muito bem vindo, aquele saborizado, tipo roquefort...)


frite as bolinhas, devidamente passadas na farinha de trigo e no ovo batido (levemente salgado)






quando o molho estiver prá lá de borbulhando, pós hora e tal de cozimento, junte as almondegas e desligue o fogo.


sirva na panela mesmo, disponibilizando uma concha para tal.




ah, sim... por favor... massa cozida al dente, como manda o figurino masculino, rssss...




prá acompanhar? um corsiño Macul, temperatura ambiente... (frexxxcura minha, eu sei)


e se tiver com muiiiiito saco, um tiramisu (de verdade, feito com mascarpone, pelo amor de deus!) prá sobremesa!